Israel Shamir

Ideas that will Derail the descent to Barbarity

Bravo, França!”

O artigo que se segue teve a sua oportunidade há poucos anos, mas mantém a sua actualidade, e por isso é traduzido. Temos também que dizer: “Bravo, Holanda! Bravo, Irlanda!”. Infelizmente, não podemos dizer “Bravo, Portugal!”, porque esta nação que foi de bravos marinheiros que sabiam  navegar sobre o mar revolto, mesmo à custa de mortes e naufrágios, está hoje reduzida a um rebanho de mansos cordeiros. Morreram os marinheiros? Não, morreram os almirantes!(LUSO)

Os Franceses votaram NON ao projecto da constituição europeia. Esta é uma grande vitória para a nossa causa, e ao mesmo tempo os planos dos nossos adversários sofreram um recuo. Isto não quer dizer que estejamos contra a unidade da Europa, antes pelo contrário – queremos uma Europa unida como contrapeso aos USA, como amiga da Rússia, do mundo Árabe, do Irão e da China. A constituição proposta queria subordinar as Forças Armadas Europeias à NATO, isto é ao comando americano. Mas para a sabedoria dos votantes franceses, na próxima invasão US, os Europeus seria forçados a servir na força invasora, fosse o Irão ou a Rússia que os Neo-cons quisessem submeter. Há duas semanas nós clamámos “Digam NON ao projecto da constituição, se não quiserem que os vossos filhos lutem em Teherão ou bombardeiem Moscovo”. Este grito, e muitos outros, foram ouvidos e obedecidos. Bravo, França!

Os nossos adversários não desistiram do seu projecto último — criarem o governo mundial sob a égide de US-Israel. Eles conseguiram subverter até a ideia pan-europeia e anti-americana de de Gaulle, introduzindo alguns cavalos de Tróia vindos da Europa de Leste. A princípio, havia apenas um cavalo de Tróia, a Inglaterra sob os seus líderes pró-americanos.  Agora há a Polónia que é ainda mais pró-americana. A França e as outras nações europeias deviam acautelar-se: é o  jogo mais antigo no mundo, quando o nosso  inimigo nos permite  tomar um país que minará a nossa coesão. Os Russos cometeram este erro quando anexaram a Polónia oriental (Ucrânia ocidental), e como resultado perderam toda a Ucrânia.

Os principais meios de informação da Europa trabalharam bem como um departamento de propaganda dum estado totalitário, bloqueando as vozes NON. É bom que o povo de França o tenha compreendido e não tivesse caído na armadilha. Sabemos o que queremos a seguir – correr com a NATO, e retirar todas as forças americanas da Europa; apoiar a independência europeia em relação aos mestres neo-cons de Washington e Nova Iorque. Na nossa opinião, um país não pode ser membro da  Europa  unida, se ele mandar os seus filhos a lutar pelos USA e Israel no Iraque ou em qualquer outra parte, se ele comprar material pesado americano, se ele minar as iniciativas europeias. A eliminação da NATO, este resquício da Guerra Fria, há muito que devia ter sido realizada. Exijamo-lo! ¶

Featured Posts
Ryan Rodrick Beiler / Shutterstock.com

Autumn in Palestine

Autumn is beautiful in Palestine: overripe blue-green figs, unpicked pomegranates pecked by birds, heavy grapes turn red. Now is the ...

Read More

A Syrian Breakthrough

The Russians and their Syrian allies have cut the main supply line of the rebels to the north of Aleppo, ...

Read More

The Liberation of the Slaves

Donald Trump’s electoral victory unleashed pent-up tectonic energies on the unprecedented scale. The world has been changed, much more than ...

Read More

If They Are Bombed - They Are Daesh

President Putin is a pirate, no less. In his declaration at the UN, he stole President Bush Jr’s copyrighted 2001 ...

Read More

Evan El-Amin  /  Shutterstock.com

Les guerres de genre de H. Clinton

Est-ce que les hommes qui votent pour H. Clinton vont finir en enfer ? Je n'en suis pas sûr. Nous savons ...

Read More

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Israel Shamir © 2016 Frontier Theme