Israel Shamir

Ideas that will Derail the descent to Barbarity

Não digas Fatah (1)

Os Palestinos são o povo com maior espírito de liberdade que há no mundo. Demonstraram-no este mês de Junho, quando irromperam pelas infames câmaras de tortura de Dahlan (2) e libertaram os prisioneiros; e expulsaram os rufiões treinados pela CIA, mandando-os para os seus patrões judeus. Sinto orgulho pela sua singular vitória: os americanos não se libertam de Guantânamo nem das suas prisões apinhadas com milhões de prisioneiros (mais do que o Gulag do tio Zé dos Bigodes); os britânicos não conseguem desmontar as suas câmaras de vigilância; os sauditas não são capazes de expulsar os seus  dominadores da CIA. Poucos povos conseguem eliminar a máquina de medo e opressão,  esmagar estes clones da  Gestapo da polícia de segurança que crescem como cogumelos por toda a parte. Na futura Palestina, a queda da Prisão da Segurança Preventiva de Gaza será celebrada do mesmo modo que os Franceses celebram a Queda da Bastilha.

 

Esta é a vitória do povo contra a opressão. Além disso, esta é a vitória da lei contra a ilegalidade, pois a Palestina tinha, e ainda tem, o seu governo legítimo, enquanto o aparato canalha da segurança tentou colocar-se acima da lei. Uma verdadeira vitória do povo, pois ela foi conseguida sem vingança e sem desnecessário derramamento do sangue. Os media israelitas obtiveram farto pábulo dos 60 homens da segurança que pediram protecção israelita, mas, na verdade,  mesmo desta pequena (em toda a medida) multidão,  mais de metade pediu o regresso a Gaza. Eles sabiam que não haveria vingança, nem rolar de cabeças, nem uma Noite das Facas Longas, nem os julgamentos de Moscovo, para os lutadores da Fatah: o povo venceu, não há guerra civil, nenhum importante derramamento de sangue; os bandidos da segurança perderam, e agora têm a oportunidade de  se tornarem outra vez homens.

 

Magnanimidade, generosidade, sentimentos fraternos foram as marcas da revolução popular. Tentando semear a discórdia, como sempre fazem, os principais periódicos apresentaram esta gloriosa revolução como uma vitória da Hamas sobre a Fatah (3). Isto é um exagero. O povo de Gaza lutou contra os bandos de Dahlan, contra criminosos sem lei que tentaram estabelecer  o seu domínio e violência sobre a Faixa. (…). Estes bandos eram os restos de um sinistro poder anterior, postos  em acção pelo  Saruman (4)  israelita, e  a sua derrota era apenas uma questão de tempo. Mas Dahlan não é a Fatah; nem o é também Mahmud Abbas, coroado pelos EUA e por Israel rei do bantustão de Ramallah. A verdadeira Fatah é Maruan Bargouti, ainda preso no Gulag Judaico, e outros homens maravilhosos e bons lutadores que levaram o nome da Palestina da batalha de Karame (5) para a Intifada.  Eles são a verdadeira Fatah, e o seu lugar está guardado no Átrio da Glória da Revolução Palestina.

 

Conheço os lutadores da Fatah; encontrei-os nas suas aldeias nos montes da Palestina, descansando um pouco após muitos anos de exílio e prisão. Grande povo, que estava tão perturbado pela vergonhosa submissão ao diktat dos israelo-americanos como os demais. A vitória do povo de Gaza pode mobilizá-los para a devida limpeza da casa, para o regresso às suas próprias tradições revolucionárias. Dahlan e Rajoub, esses rufiões da segurança e seus aliados políticos Abu Mazen e Saeb Erekat roubaram, ou melhor, privatizaram o nome daFatah, tal como os patrões da KGB privatizaram o comunismo e as elites judeo-mamonitas privatizaram o livre empreendimento dos pais fundadores americanos.  Que nenhum lutador da Fatah se sinta perturbado pela derrota de Dahlan. Além disso, eles podem seguir a pista e livrarem-se dos lobishomens que abusaram do nome da Fatah ao serviço do Shin Bet (6).

 

Jonathan Steele (7) fez-nos lembrar, correctamente, que “armar insurgentes contra governos legítimos é uma longa tradição dos EUA, e não é por acidente que Elliott Abrams (8), o conselheiro da segurança nacional americana e aparente arquitecto da subversão anti-Hamas, foi um jogador-chave no fornecimento de armas de Ronald Reagan aos Contras que lutaram contra o governo da Nicarágua eleito nos anos de 80.” Mas esses Contras, em toda a parte presentes em todas as revoluções, os Chouans da Vendeia (os Contras da  Revolução Francesa), os Cossacos do Don  (os Contras da Revolução Russa), a Unita de Savimbi (os Contras da revolução angolana), tinham alguma razão do seu lado, e expressavam alguns interesses legítimos. É por isso que aprovamos e apoiamos o carácter cordial da revolução da Hamas: a prontidão da Hamas em cooperar com os elementos mais sãos da Fatah pela causa palestina.

 

Contudo, alguma coisa se pode e se deve aprender: a chefia da Fatah sucumbiu à tentação israelo-americana devido à sua ideologia defeituosa. O nacionalismo, esta arma de desintegração geral (9), foi trazida para o oriente pelos colonizadores ocidentais afim de dividir e conquistar. Até ao século XIX, o Oriente não conheceu o nacionalismo, pois unia-se pela fé e era governado pelos seus chefes, descendentes de Constantino, o Grande (10), e Soleimão, o Magnífico (11). T. E. Lawrence levou os bacilos do nacionalismo para o Hejaz na sua garupa cheia de informações de espionagem, e minou esta unidade oriental. Ele prometeu aos Árabes independência dos “odiosos turcos otomanos”, mas nada de bom resultou da sua traição: os colonizadores britânicos, americanos e mais tarde os sionistas partilharam os despojos, enquanto os nativos ficaram ainda mais oprimidos.

 

O nacionalismo é necessariamente uma espécie de ideologia particularista, “faze tu sozinho”. Na Palestina, Egipto e Síria, esta ideologia era compensada por um socialismo universalista, mas com a evaporação deste elemento socialista, a Fatah ficou com o seu nacionalismo defeituoso, destinado ao malogro. “Eles são nacionalistas como nós”, dizem os sionistas, desde Sharon a Avnery, a respeito da Fatah. “Eles ficarão felizes com uma bandeira, um hino e uma conta na Suíça — tal como nós. Ficarão contentes com um Bantustão ou dois.”

 

Mas os Palestinos não são susceptíveis de atraiçoarem a Palestina por uma ilusão de independência. Todos os Palestinos, ou seja, todos os habitantes da Palestina, naturais ou imigrados, precisam dela toda, não de apenas dos 2% de Gaza e dos 10% dum enclave de Ramallah, mas de 100%. Nós todos podemos tê-la toda, não dividindo-a, mas compartilhando-a. O Islão é uma fé universal, como o Cristianismo, e as suas bases religiosas são mais apropriadas para um estado universal do que para o nacionalismo de ontem, árabe ou sionista. Um processo semelhante está a acontecer na Turquia, onde o nacionalismo de Kemal se tornou aliado da América, apoiado pelas baionetas dos soldados, mas o partido islâmico é a escolha do povo.

 

O povo do Oriente acredita em Deus; é por isso que Ex Oriente Lux.  E também sabe por experiência própria que os povos sem Deus não têm escrúpulos nem compaixão, e é de chefes compassivos que precisamos. Não se faça caso do espantalho do “Islamofascismo” ou do “Perigo Islâmico”. É um mito, criado por Podhoretz (12) e seu clan, uma ameaça  inventada, como o Perigo Amarelo, o Paneslavismo, o Comunismo.  Não temos medo dos seguidores do Islão, porque sempre vivemos com eles.

 

O processo construtivo da nação da Palestina está muito longe de completar-se. Um novo paradigma tem de ser encontrado para unir as suas tribos numa só sociedade, desmontando a Autoridade Nacional Palestina e o Estado Judaico, como foi correctamente enunciado por Avrum Burg (13). A separação e a tendência para a independência desta ou daquela parte da Palestina tornou-se uma estratégia falida. A Palestina não pode ser dividida. Os amigos da Palestina e os amigos de Israel devem cooperar para unificarem, não para separarem.

(traduzido do inglês por LUSO)

 

 

(1) A palavra “fatah” significa “vitória”,  e é um acrónimo de Harakat  at-taHrir al-filastiin (da direita para a esquerda), que significa: “Movimento de Libertação da Palestina”. Admite a existência do estado de Israel. LUSO

(2) Mohamad Dahlan, um dos chefes da Fatah e chefe da Segurança, é acusado pela Hamas de conivência com Israel. LUSO

(3) Hamas, acrónimo de Harakat al-Muqaauamah al-Islaamiiah (= Movimento da Resistência do Islamismo), significa “espírito de luta”.LUSO

(4) Saruman, encarnação do mal, é um dos mágicos de “O Rei dos Anéis”, história fantástica de J.R. Tolkien.  (não li, nem lerei).LUSO

(5) Karame, local na Jordânia, onde as forças da Fatah levaram a melhor sobre tropas israelitas, em 21.3.1968. LUSO

(6) Agência secreta de defesa e segurança do Estado de Israel. O mesmo que Shabak. LUSO

(7) Jornalista britânico do Guardian para os assuntos estrangeiros. LUSO

(8) Advogado norte-americano, o “neo-con dos neo-cons”.LUSO.

(9) O LUSO, sendo nacionalista (patriota), sente a necessidade de esclarecer que o nacionalismo aplicado aos árabes não é a mesma coisa que o nacionalismo europeu. Enquanto a Europa sempre foi constituída por nações discretas (distintas), com culturas (línguas, histórias, mentalidades) diferentes, ou mesmo muito diferentes, malgrado uma religião em geral comum, o mundo árabe foi uma unidade na língua e na raça e particularmente na religião, repartida por califados, emirados e xeikhados, cujos chefes eram religiosos muçulmanos. O nacionalismo europeu, importado por  via dos colonizadores franceses e ingleses, constituiu, portanto, uma alienação e um factor grave de divisão do mundo árabe. O inimigo, supostamente democratizante e  progressista, usou sempre da tentativa de destruição das culturas ancestrais: no mundo árabe, com o nacionalismo, no mundo europeu, com o anti-nacionalismo. É a política perversa da destruição da identidade nacional. No mundo árabe: dividir para reinar; no mundo europeu, promiscuir para confundir. LUSO

(10) Constantino, o Grande (280-337) unificou pela religião cristã o Império Romano. Foi canonizado pela Igreja Católica Ortodoxa. LUSO

(11) Soleimão, o Magnífico  (1495-1520-1566) conquistou grande parte da Península Balcânica e sitiou, sem êxito, Viena em 1529. O reinado de Soleimão, o Magnífico, foi o período mais brilhante da Turquia. Durante ele, deram-se os dois cercos de Diu (1538 e 1547). Pode-se dizer sem exagero que os Portugueses no Índico aliviaram a pressão dos Turcos sobre a Europa. LUSO

(12) Podhoretz (n. 1930) – comentarista americano neo-con, ligado ao famigerado “Projecto para o Novo Século Americano”. LUSO

(13) Avrum Burg, ex-porta voz do Knesset, afastou-se do sionismo político, que seria inimigo do Judaísmo, e teria afirmado que o problema da política de Israel não está nos árabes, mas nos próprios judeus. LUSO

Featured Posts

If They Are Bombed - They Are Daesh

President Putin is a pirate, no less. In his declaration at the UN, he stole President Bush Jr’s copyrighted 2001 ...

Read More

Evan El-Amin  /  Shutterstock.com

Les guerres de genre de H. Clinton

Est-ce que les hommes qui votent pour H. Clinton vont finir en enfer ? Je n'en suis pas sûr. Nous savons ...

Read More

A Syrian Breakthrough

The Russians and their Syrian allies have cut the main supply line of the rebels to the north of Aleppo, ...

Read More

The Liberation of the Slaves

Donald Trump’s electoral victory unleashed pent-up tectonic energies on the unprecedented scale. The world has been changed, much more than ...

Read More

Ryan Rodrick Beiler / Shutterstock.com

Autumn in Palestine

Autumn is beautiful in Palestine: overripe blue-green figs, unpicked pomegranates pecked by birds, heavy grapes turn red. Now is the ...

Read More

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Israel Shamir © 2016 Frontier Theme