Israel Shamir

Ideas that will Derail the descent to Barbarity

Nincompoop

(O pateta)

“O presidente Bush devia ser declarado um Sionista Notável” – gracejou sarcasticamente Tashi HaNegbi, um patife israelita feito ministro, quando as palavras do presidente americano deixaram de reverberar no calor do fim de Junho do Médio Oriente.  “Não, Bush devia ser admitido no Likud”, — emendou o chefe da oposição, Yossi Sarid. O chefe do partido trabalhista de Israel, Shimon Peres, parecia mais estúpido do que nunca, quando Bush retirou o seu argumento favorito, ‘uma ameaça  de intervenção americana’. Peres e Sarid nunca defenderam os direitos humanos dos Palestinos, quer por simpatia, quer por vulgar humanidade, mas piscavam os olhos aos seus apoiantes do eleitorado israelita notoriamente nacionalista: “Nós lidaríamos com os Palestinos e suas terra tão inexoravelmente como a Likud {extrema-direita}; mas  nós queremos conservar as nossas relações especiais com os USA. Os americanos não o permitiriam; é por isso que somos obrigados a portar-nos como seres humanos”. Agora a forçada interpretação deles ruiu. Os Americanos estão-se mesmo nas tintas. Não se importam com nada, e agora Israel pode continuar o seu ininterrupto deslize para o pesadelo fascista.

Com um sorriso retorcido, vejo os emails e os artigos do ano passado, quando Bush, Jr. foi eleito Presidente. Muitos panditas da direita expressavam a opinião de os Judeus tinham perdido o seu estrangulamento sobre a política americana, “Judeus no gabinete de Bush? De modo nenhum” lamentou Phillip Weiss do Observer. Justin Raimondo do Antiwar.com estava jovialmente satisfeito com o que parecia ser uma derrota judaica.  Passados alguns meses, eles aprenderam: a reconquistada supremacia anglo-saxónica nos Estados Unidos não passava de uma miragem. Astuciosamente fornecendo fundos a ambos os partidos Republicano e Democrata, e a praticamente todos os candidatos da esquerda e da direita, a chefia judaica pode influenciar a eleição dos candidatos que prefere. Talvez não possa designar uma pessoa determinada para esta ou aquela posição, mas é capaz de influenciar a lista curta, quando a escolha final já não interessa. Ela sabe o que quer; ela prefere os patetas, pessoas de inteligência, competência e força de vontade limitadas,  e de dúbia moralidade, quer se chamem Bush ou Gore.

“Escolher um governante fraco” é o nome do jogo para uma minoria étnica ou religiosa tomar conta do poder, sempre que a populaça ainda não esteja pronta a aceitar as regras verdadeiras. Nos filmes Babylon-5 e outros de ficção científica, os alienígenas preferem um terráqueo fraquejante como seu pau mandado. Aprenderam da História. Na segunda metade do primeiro milénio, um grande estado eurasiático, a Khazária,  foi sujeito a uma tomada semelhante.

 

Os khazares indígenas eram governados e protegidos pela nobreza guerreira turca, chefiada pelo seu khan eleito, o rei. Do século VI ao VIII, eles receberam algumas vagas de refugiados judeus, primeiro da Pérsia sassânida, depois do Iraque abássida e de Bizâncio. Os  benevolentes e tolerantes khans turcos acreditaram que adquiriam súbditos inteligentes e diligentes, mas a breve prazo, os recém-chegados apoderaram-se da Khazária.

Durante algum tempo eles conservaram a fachada do governo da tradicional aristocracia e entronizavam um khan cada vez mais fraco. Em 803, Obadiah, o judeu, tornou-se o verdadeiro governante da Khazária, enquanto o  khan, o Goy , era ainda mostrado uma vez por ano como prova da legitimidade do poder de Obadiah. Eventualmente, o último khan gentio foi  afastado, e o a ficção do governo khazar chegou ao fim, quando um Beg judaico assumiu o poder na Khazária.

Diz-se frequentemente que os governantes judeus provocaram a conversão em massa da Khazária à fé judaica. Arthur Koestler, um novelista judaico, pensava que os judeus modernos eram os descendentes destes khazares conversos, mas dois proeminentes cientistas russos, um arqueólogo, Artamanov, e um historiador, Leon Gumilev, chegaram à conclusão que os khazares comuns não foram convertidos ao judaísmo. Os judeus eram a classe do poder na Khazária; não compartilhavam a Aliança ou importantes posições com estranhos, segundo Gumilev. Os khazares tornaram-se súbditos dum poder étnica e religiosamente alheio. Tinham que  pagar para o exército e a polícia e para a política aventurosa externa. Por fim, perderam o seu país.

Os judeus ficaram numa posição excelente, mas de muito curta duração: dentro de cem anos após a tomada do poder, o Império khazar desintegrou-se completamente.  Tais manigâncias não duram, pois destroem o seu próprio poder por falta de bases. Os khazares não se importaram: não compartilhavam da riqueza fabulosa do Império. Tornaram-se tártaros, casaques e outros povos da estepe. Os vizinhos não sentiram falta do Império, pois ele estava inclinado para o genocídio e o comércio da escravatura. Os judeus emigraram da devastada bacia do Cáspio e entraram nas terras frias da Polónia e da Lituânia, e desapareceram da História para um longo sono de mil anos.

Os judeus da Khazária precisavam de um pateta (nincompoop) para khan, porque o seu poder estava longe de ser completo, e somente um pateta se renderia aos seus mandos. O discurso no Médio Oriente de Bush provou que este rebento de família rica e poderosa se comporta como um coelho ofuscado pelos faróis de um carro. A contagem decrescente para a morte do Império Americano tinha começado.

Featured Posts
Evan El-Amin  /  Shutterstock.com

Les guerres de genre de H. Clinton

Est-ce que les hommes qui votent pour H. Clinton vont finir en enfer ? Je n'en suis pas sûr. Nous savons ...

Read More

Ryan Rodrick Beiler / Shutterstock.com

Autumn in Palestine

Autumn is beautiful in Palestine: overripe blue-green figs, unpicked pomegranates pecked by birds, heavy grapes turn red. Now is the ...

Read More

The Liberation of the Slaves

Donald Trump’s electoral victory unleashed pent-up tectonic energies on the unprecedented scale. The world has been changed, much more than ...

Read More

A Syrian Breakthrough

The Russians and their Syrian allies have cut the main supply line of the rebels to the north of Aleppo, ...

Read More

If They Are Bombed - They Are Daesh

President Putin is a pirate, no less. In his declaration at the UN, he stole President Bush Jr’s copyrighted 2001 ...

Read More

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Israel Shamir © 2016 Frontier Theme